sexta-feira, 29 de abril de 2016

ABORRESCÊNCIA


Sinônimo de aborrecimentos, de incompreensões, teimosias e outros tantos epítetos que fazemos questão de acrescentar quando falamos do adolescente... Precisamos compreendê-los.

Será que todos nós não exageramos e valorizamos apenas os tais “defeitos” deste ciclo de vida, quando na verdade são seres lindos, desabrochando para a vida adulta?

Temos, ao invés de criticá-los, refletir sobre o nosso papel junto aos adolescentes, tão queridos, mas que, muitas e muitas vezes, levam-nos ao limite da nossa paciência. Difícil? Muito difícil.

O que me surpreende, nesta longa jornada, é que eu já enfrentei o mesmo problema: como mãe, depois como avó, agora, como bisavó. Falo com toda sinceridade: ainda não havia experimentado tantas preocupações. A vida passava tranquilamente, impondo pequenos contratempos.

Mas os anos passaram velozmente e agora, chegando em 2016, eu me pergunto: por que todos nós damos este aspecto tão pejorativo à abençoada adolescência? Por que como mãe e avó, abordei com mais serenidade os mesmos problemas?

Passei horas, dias talvez, raciocinando com calma sobre o assunto e eu Nida, modestamente, cheguei a (minha) conclusão: será que os jovenzinhos de outrora tinham mais tempo para assistir aulas de civilidade, cuja disciplina nos colégios era chamada de Educação Moral e Cívica?

Acredito que era muito eficiente para a complementação do caráter dos nossos jovens. Eles tinham ali um apoio.

Seria tão proveitoso para os adolescentes intercalarem o uso desta, sem dúvida, maravilhosa ferramenta da tecnologia moderna, com momentos de reflexão. Para além do estudo, tempo para pensar, refletir e então crescer lindamente, externa e internamente, mostrando aos adultos toda a alegria da juventude. Então, creio, não seriam mais chamados de “aborrescentes”.

Esses são os meus pensamentos para todos os adolescentes que, por acaso, lerem este meu despretensioso artigo, que dedico, em particular, à minha bisneta adolescente Thais.

Obrigada por lerem meu artigo!


Nida














NIDA DEL GUERRA FERIOLI (94) é Conciliadora e Mediadora de Conflitos (formada em 2014); 
Professora de italiano; Autora do livro “Vivendo a Vida”. 

Um comentário:

  1. A experiência pode e deve ser compartilhada; sempre irá enriquecer a nossa, independentemente de concordarmos ou não. Parabéns.

    ResponderExcluir