segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Impressões: Amor expresso, de Adriana Aneli, por Chris Herrmann



 Adriana Aneli



Com a alma expressa

por Chris Herrmann


Uma das coisas que mais me tocam em Amor Expresso de Adriana Aneli é que testemunhei o nascer dele, desde a ideia à sua concretização final. Embora não tenha comparecido ao lançamento por razões físicas (a Alemanha não é logo ali), estive com ela vibrando em todos os momentos. O livro conta cinquenta deliciosas histórias com aroma de café. As ilustrações da artista plástica mineira Cristina Arruda compõem juntamente com suas histórias, a alma do livro.


ilustração de Cristina Arruda para o conto
"Feios, sujos e malvados"


Mas antes de comentar o seu conteúdo, gostaria de destacar o capricho, a beleza e suavidade de sua edição artesanal pela Scenarium. Trabalho acurado e muito criativo de Lunna Guedes. A capa é um primor e esbanja elegância. Sua xicrinha de café fumegante é um convite à boa leitura. Ter uma obra assim, de tão delicado acabamento em mãos e folheá-lo, é mais um presente que só quem ama livros sabe.



O café faz parte do cenário do nosso dia a dia e no livro ganha um destaque especial em pequenas histórias que poderiam ser suas, minhas, de nossos amigos, vizinhos ou de qualquer um de nós. A autora sabe dosar bem o humor sem apelar para o desrespeito, a sensibilidade sem ser piegas.


„O motivo do crime, segundo o Delegado, pode ser passional: a esposa odeia cheiro de café. O marido levava vida secreta na padaria da rua de baixo. A mancha na calça denunciou a traição.”


O que surpreende também no livro além da criatividade das histórias em si, é o tratamento sensível que a autora dá ao ambiente evocado por elas em nossas mais profundas lembranças, desejos e aspirações.


„Assustada com o futuro lido na borra de café
passou a tomar chocolate quente.”

O livro, que já passou por sete edições desde seu lançamento não para de se desenvolver no imaginário de seus leitores e fãs. A artista Flávia Taiano já trabalha numa exposição com criações inspiradas em sua obra. O toque delicado de suas esculturas parece trazer o sonho à tona. São trabalhos que emocionam não só pelo talento natural da artista que já se conhece, mas pela ideia de dar vida ao que parecia viver somente nas páginas do livro e na nossa imaginação...



escultura inspirada no conto "Nighthawks"

O amor está no ar assim como o aroma de café, que permeia o livro com passagens expressas de encontros e desencontros com o outro e consigo. Situações que nos são contadas com leveza como num gole de café. O café que degustamos na lida de nossos dias e nas páginas do Amor Expresso pode ser rápido como uma história de amor que, por vezes, nem aconteceu. Mas seu aroma... ah, seu aroma, é tão intenso quanto o que ele deixou em nós.



.


5 comentários:

  1. A felicidade de ter um olhar tão sensível sobre nosso trabalho!!! <3 Muito obrigada, Chris Herrmann!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah... e eu fiquei feliz também em ver este trabalho pronto. Li com gosto todos os contos, saboreei cada linha, viajei nas ilustrações da Cris Arruda e agora embarco em mais uma empreitada com as esculturas da Flávia Taiano. Presente múltiplo, querida! Parabéns novamente!!

      Excluir
  2. Deu vontade de ler de novo... senti cheiro de café, de amor. Daqueles que passaram...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. verdade, a resenha da Chris desperta os sentidos, Aden!!!

      Excluir
    2. É, Aden, eu também não canso de reler e este aroma de café me acompanha sempre e apura os sentidos. Beijos às duas! Obrigada!!

      Excluir