quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

ALÉTHEIA

por Rita de Cássia Ramos

Um texto que produzi estabelecendo um diálogo com um conto de Guimarães Rosa, chamado "João Porém, o criador de perus". A história do literato trata, dentre outros temas, do amor platônico de um sertanejo por uma moça, chamada Alice, que foi inventada pela população local para ridicularizá-lo, a quem ele evidentemente jamais encontra, mas que passa a ser o móvel de sua existência.

.....................................................................................................


As tranças dos cabelos de Alice, no formato de um oito, cediam à entrada do vento na janela da torre. Seu perfil, àquela hora, lembrava uma rosa de infinitas pontas. A moça afastava com o pé, num gesto grácil, o Licorne, este animal que não desconfia que nem existe, o qual insistia em ficar no caminho da donzela e seu celular. Aliás, dele já haviam soado três tristes toques, enquanto ela, trêmula, temia, sobretudo, o calar desse chamamento. Os ponteiros dos relógios suspensos --- quem vive em seu refúgio vive bem? --- mostravam-lhe que o tempo sempre recomeça a correr. Nem precisava se vestir, porém... Porém seus olhos marejavam sob o negro delineio de um traço. Quem conhece a dimensão da dor de um ser de ficção? Quem, afinal, era ela: luz, sombra, talvez um borrão de qualquer cor? Reminiscências... E se ele, tendo-a a peito, não mais acreditasse na existência dela? Quando o som da campainha rompeu o silêncio e a sua espera, a urdida, acreditando-se real, levantou-se e abriu a porta. Ele chegara ali, além das cercanias...


_______________________________________________________________
Rita de Cássia Ramos é Especialista em Ciências Humanas pelo CEU,
 mestre em Língua Portuguesa pela PUC-SP, Doutoranda em Literatura pela USP-
Psicanálise, em formação, pelo NPP-SP; Professora de Literatura

e análise de texto no Colégio e curso Objetivo

Nenhum comentário:

Postar um comentário